fbpx

O mercado vinícola brasileiro vem se desenvolvendo de forma sólida e consecutiva durante os últimos anos. Com o desenvolvimento desse mercado de cultura do vinho, o enoturismo passou a ser básico em qualquer vinícola ou até em espaços urbanos, como, por exemplo, os wine bars e enotecas.

 

Cultura do Vinho - Dia do Enoturismo

 

O mercado da Cultura do Vinho

O desenvolvimento de um mercado tem impacto em diversos aspectos econômicos. Estes são ligados de forma direta ou indireta a ele e a toda comunidade envolvida. Sabe-se que hoje de 25 a 30% do faturamento das vinícolas, incluindo-se as pequenas e médias está diretamente ligado ao enoturismo. E não é para menos, grande parte do público que tem afinidade com o setor, participa de atividades como confrarias, visitas guiadas, degustações e harmonizações. Querem conhecer de fato o processo de produção e, quem sabe, até participar dele. Como na colheita de uvas noturna realizada na Vinícola Larentis no Vale do Vinhedos.

 

Despertar o interesse do consumidor

Tomando-se a definição de Vander Valduga (2011)[1]:

O enoturismo é um segmento da atividade turística que se baseia na viagem motivada pela apreciação do sabor e aroma dos vinhos e das tradições e cultura da localidades que produzem esta bebida. O enoturismo envolve o visitante na cultura do vinho e nos detalhes da bebida.

No Congresso Internacional do Vinho promovido em outubro de 2016 pela Organização Internacional do Vinho em Bento Gonçalves, muito falou-se sobre como despertar o interesse do consumidor por uma vinícola.  O caminho mais certo de como esta vinícola pode diferenciar-se em relação às demais é com o enoturismo. À medida que o enoturista, ou até mesmo o simples consumidor conhece o produtor, o processo, o vinhedo, ele se sente parte daquilo. Assim, fica praticamente impossível não querer uma garrafa ou caixa daquele vinho que ele viu nascer.

 

Incentivo ao Enoturismo Brasileiro

Em 2017, a turismóloga e entusiasta do desenvolvimento turístico, Ivane Fávero (veja o artigo de Ivane como autora convidada em nosso blog), assumiu o posto de Presidente da Associação Internacional de Enoturismo. Ela trouxe um sabor diferente para o enoturismo brasileiro. Já há ações programadas para que no próximo ano o Brasil esteja mobilizado e pronto para integrar as atividades do Dia Internacional do Enoturismo que a Aenotur lançará (na Europa o dia é comemorado em 12/11). O Uruguai é o primeiro país sul-americano a celebrar esta data, e já está em sua 4ª edição, com diversas atividades nas bodegas bem como a eno-running, sendo uma pequena maratona no Estabelecimento Juanicó.

Em reportagem da Revista Amanhã, Ivane destaca a importância do Ministério do Turismo compreender seu valor para o setor. Reconhecendo o enoturismo como modalidade relevante da área turística, pela capacidade de produção vinícola que o país tem e o desenvolvimento sólido que todo o setor vitivinícola articula ao longo desses anos.

 

Especialistas em Cultura do Vinho

O Enoturismo passou a ser algo tão importante dentro da cultura do vinho que conta com profissionais especializados, graduados em Garibaldi, os enoturismólogos. É importante para o vinicultor sempre contar com especialistas de cada área para atingir seus sonhos de forma mais rápida e concreta. Aumentando a qualidade de seu atendimento, de seu produto e dos serviços que pode oferecer. Os enoturismólogos foram capacitados para atender a demanda expressiva do Vale dos Vinhedos, mas há profissionais espalhados pelo Brasil.

A vinícola tem se tornado um espaço mais complexo do que se imaginava antigamente no Brasil. Hoje a visita para uma vinícola não é restrita apenas ao varejo. Aliás, nos parece que o varejo é a “consequência” de tudo que foi feito durante o roteiro turístico. O enoturista quer se deleitar com os prazeres que a vinicultura proporciona. Passeios agradáveis em meio a natureza, hotelaria simples (mas de qualidade) e refeições excepcionais fazem parte do grande leque de possibilidades. Ou seja, experiências harmonizadas com o melhor que a vinícola tem a oferecer ou como a expressão latina sugere fugere urbem (“fugir da cidade”).

 

Como desenvolver o enoturismo em sua vinícola?

Nesse dia dedicado ao enoturismo, o que sua vinícola pode fazer de diferente? O que seu público procura? Como o vinicultor pode transformar seu vinhedo num atrativo a parte? Já temos excelentes exemplos tanto no Rio Grande do Sul como em outras áreas produtoras. E a internet é um belo aliado no caminho para conquistar enoturistas aficionados pelo vinho.

Saiba mais sobre: 5 PASSOS PARA DESENVOLVER O ENOTURISMO EM SUA VINÍCOLA

 


Listamos abaixo algumas das atividades programadas para celebrar o Dia Europeu do Enoturismo no Brasil:

Sparkling Night Run
Data: 11 de novembro | Local: Bento Gonçalves

Brinde festivo (Evento fechado)
Data: 12 de novembro | Local: Casa Venturini, em Flores da Cunha

Promoção de espumantes – Pague 5 leve 6
Data: 12 de novembro | Local: varejo da vinícola Panizzon, em Flores da Cunha

Brinde festivo
Data: 12 de novembro | Local: Monumento histórico da Caixa D’Água, em Dom Pedrito

Motivos para celebrar nunca faltam!

 

[1] VALDUGA, Vander. Enoturismo no Vale dos Vinhedos. Unipampa, 2011.

Juliana Rebellatto Locatelli

Advogada graduada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos. Conciliadora do Juizado Especial Cível da Comarca de Garibaldi/RS. Membro da Association Internationale des Juristes du Droit de la Vigne et du Vin (AIDV). Assessora Jurídica do Município de Coronel Pilar - RS. Membro da APEME Mulher de Garibaldi/RS.

Últimos posts por Juliana Rebellatto Locatelli (exibir todos)